domingo, 22 de julho de 2012

Ventreoteca: Box de DVDs Didáticos


A Ventreoteca é uma coleção de DVDs didáticos que vem brindar o público que pratica a Dança do Ventre com conteúdo abrangente, temas importantes e abordados de forma inédita nesta coleção. Foram escolhidas algumas das melhores profissionais do mercado, pela sua técnica e metodologia de ensino, para trazer para o público toda a técnica e emoção desta dança milenar.


A coleção conta com a presença de seis bailarinas: Kahina, Aziza Mor, Munira Magharib, Mahaila el Helwa, Ju Marconato e Kilma Farias, além das bailarinas convidadas: Aysha Almeé, Lainah, Kiania, Aysha Almeé, Ian Nain, Mario Aphonso III, Jihad Smaili, Nadjara, Shirley Salilah, Mayara al Jamila,  Jaqueline Lima e Fabiana Rodrigues. E o derbakista Pedro Françolin.

Cada DVD tem aproximadamente 90 minutos, com técnicas de quadril, sequência para deslocamento e giros, aula de snuj - exercitando a coordenação motora fina, dança baladi - Essência e tradição egípcia, Saidi - Técnica e expressão corporal, Braços - Posturas e possibilidades, Taksim e Lentos, Espada - Equilíbrio e movimentação, e para as tribalescas Tribal - Brasil e Fusion.


O DVD didático Tribal - Brasil & Fusion aborda método de Tribal Brasil, desenvolvido por Kilma Farias e pelo grupo Cia Lunay, assim como o Tribal Fusion numa leitura contemporânea, entendendo tempo, espaço, intenções, fluência e visualizando trajetórias dos movimentos em relação ao corpo e o espaço. Temas como isolamentos, transferências musculares, sobreposições de movimentos e níveis são desenvolvidos tendo como vocabulário o Tribal Brasil e o Tribal Fusion.

Aproveite a promoção de lançamento na loja virtual exclusiva para pré venda é por tempo limitado. Com descontos e brindes especiais. Todos os pedidos serão enviados após dia 29 de setembro de 2012 ou entregues pessoalmente no dia do lançamento se assim o desejar. Clique AQUI e aproveite para adquirir a coleção inédita, feita com muito carinho, para você!

Confira o vídeo teaser do lançamento, só para ter uma noção do que te espera...



domingo, 15 de julho de 2012

Caravana Tribal Nordeste - 3ª Edição Recife (PE) - 2012


Nos dias 27 e 28 de outubro de 2012 o Aquarius Tribal Fusion Cia de Dança realiza a 3° edição da Caravana Tribal Nordeste. Primeiro festival itinerante de Tribal Fusion do Brasil, que consagrou-se no calendário anual de atividades do estilo.

Este ano trazendo Wokshops com Nadja El Baladi (RJ) e Kilma Farias (PB), oficina de composição coreográfica e leitura musical com Carol Monteiro e Esther AlexandreTodos os cursos serão realizados no Studio Carol Monteiro (27 e 28 de outubro) e o Show de gala será no Teatro Ribalta - Studio de Danças, com direção de Aderval Farias, produção de Bárbara Aguiar, sonoplastia da Casa de Dança Everaldo Lins e abertura com o grupo de Dança e Teatro do NUCFIRE. Em breve edital e ficha de inscrição disponíveis na web. Vagas limitadas, venha e traga sua Caravana, não fique de fora dessa festa!!!!!


Para mais informações: 
aquarius_tribalfusion@hotmail.com ou acesse nossa página no facebook!!!


quarta-feira, 11 de julho de 2012

Workshop com Guigo Alves na PB


O Ônix Tribal (PB) tem o prazer de apresentar o Workshop de Tribal Fusion com o diretor da Cia. Exotique (DF), Guigo Alves. Muta técnica, leveza de movimentos, força, são algumas características do dançarino.

O Workshop será em Campina Grande (PB), no Centro Cultural Lourdes Ramalho, no dia 27 de Junho, das 18 horas às 20 horas. Inscrições antencipadas: R$ 40. 

Para você que não conhece o trabalho de Guigo Alves assista ao vídeo da apresentação do duo de Tribal Fusion - com Guigo Alves e Raissa Latorraca no  Dança à Mostra, que aconteceu em 11 de Junho de 2011, no Teatro da CAESB em Águas Claras, Brasília - DF.

domingo, 8 de julho de 2012

Uma Linha Reta nas Curvas da Beleza



Por Kilma Farias



Para o leigo, beleza é pura questão de gosto. Mas saibam, há nesta questão um profundo estudo do que acontece na nossa mente quando percebemos algo e o qualificamos como belo ou feio. Para mim, que trabalho com dança do ventre há 8 anos, comprovo cada vez mais que a beleza está extremamente ligada a estética e significado. Podemos entender estética como equilíbrio. Na dança do ventre, o equilíbrio entre o suave e o forte, entre a ondulação e o tremido, entre a alegria e o sofrimento, prazer e angústia, enfim, o equilíbrio entre o trabalho constante dos opostos. E, dessa forma, a bailarina que todos aclamam como linda, maravilhosa, estonteante, nem sempre é bonita fisicamente, dentro do padrão estético que os meios de comunicação exploram.

Cansei de ter alunas lindas, verdadeiras bonecas que não tinham a menor graça dançando, e outras que de tão exageradas se tornavam feias. Ao passo que outras não tão bonitas e muitas vezes acima do peso, davam show de encanto e beleza quando estavam dançando. Quem trabalha com dança sabe do que estou falando, da presença, da emoção transmitida, da transmutação, do significado, do sentimento que a bailarina nos traz. Esse equilíbrio não é algo que se ensine facilmente, ele vem com o tempo, com a vivência, com o despertar do sentir para poder transmitir equilibradamente uma emoção. Isso é arte! Seja na dança, na pintura, na fotografia, na literatura, na música ou em qualquer outra forma de expressão artística.

Se você entendeu o que escrevi até agora então vai ser fácil acompanhar esta linha de raciocínio. Pela psicologia experimental, há quatro categorias de beleza. A primeira diz respeito ao próprio objeto contemplado, no nosso caso, à bailarina, sua simetria física, elegância, clareza técnica, coerência, equilíbrio, unidade e adequação. A segunda categoria é quando você se identifica com a bailarina, há uma familiaridade, confiança, empatia, pois quando nos identificamos com algo projetamos nossos pensamentos e emoções e o sucesso é garantido. Diz-se que a bailarina conquista a platéia; e isso independe de beleza física! Na terceira categoria, os critérios para que a bailarina seja qualificada como bela será o estímulo, a novidade que ela traz, irreverência, criatividade. É belo sentir-se criativo, novo, como também é belo ver coisas novas através do outro. E a quarta categoria é a chamada estética elementar, corresponde à concepção de beleza como experiência sensorial e sensação de prazer. Ver a bailarina dançar me dá prazer ou não, vai depender da idéia que eu tenho pré-estabelecida de que uma bailarina de dança do ventre seja algo belo ou não. A beleza, assim como a poesia, está principalmente no olho de quem vê. Avaliando por esta categoria, poderia ser a mulher mais linda do mundo, dançando da forma mais equilibrada possível, com um vocabulário rico e cheio de emoção, que mesmo assim o seu observador não iria achar bonito, se antes ele tivesse pré-estabelecido em sua mente que uma bailarina de dança do ventre é brega, é ridícula, enfim. Dá para perceber as diferentes formas de conceber a beleza? Então, acho que agora ficou até mais fácil de ficar mais bonita, heim!?

Eu sou uma bailarina de estatura baixa (1,55m), não obedeço ao padrão estético da mídia. Inclusive detesto padrões, estereótipos; concordo que toda unanimidade é burra, procuro sempre inovar, transformar, adequar à minha verdade cada conhecimento adquirido. E nessa caminhada perdi as contas de quantas vezes nos camarins recebi os cumprimentos de pessoas que não acreditavam se tratar da mesma pessoa que há minutos atrás estava no palco. – Mas você era um mulherão! – comentam abismados. Penso eu: que maravilha! Cumpri minha missão de transmitir beleza.
Que bonito, heim!?
;)

sábado, 7 de julho de 2012

Aulas Regulares com Kilma Farias




Matrículas abertas para novas turmas!!!

No Studio Lunay as aulas iniciaram ontem. Tome nota do dia de sua turma.
No Teatro Santa Roza as aulas iniciam dia 13 de julho.
No Sinhá Bandeira as aulas iniciam hoje e são gratuitas!! Projeto apoiado pela Pmjponline João Pessoa


Sejam todas bem-vindas!